Saltar para o conteúdo

Quando a humanidade deixou de usar a liga nas pernas e a colocou no futebol

20/04/2021

É uma forma alternativa de dizer “eu sou do tempo…”
Sou do tempo em que havia uma competição com o campeão de futebol da cada país europeu. Bom ou mau, era o melhor do seu país. Depois, vieram uns senhores que arranjaram um nome estrangeiro para a coisa, de modo a enganar o patego, e que criaram obstáculos a que os melhores dos mais pequeninos ficassem de fora e que quase a primeira metade da tabela dos “fazedores de dinheiro” ocupassem os lugares daqueles.
Por isso, quando ouço essas virgens ofendidas clamar pela meritocracia, contra o poder do dinheiro, só posso chegar à conclusão que o cinismo e a hipocrisia são elementos humorísticos.

A IA está cada vez mais estúpida

26/03/2021

no que à correcção automática, ou ‘escrita inteligente’ diz respeito.

Da desvalorização e outros epítetos

03/03/2021

O que faz mal à saúde mental dos jovens não é o fecho dos grandes armazéns de pré-adultos (dantes, chamavam-lhes escolas e serviam para partilhar conhecimento). Bem, um pouco de saudades…
Contudo, o que é profundamente nocivo para a saúde mental dos jovens são as promessas de políticos, as previsões de economistas e as atoardas de “especialistas” em coisa nenhuma.

Quando as salas de cinema se transformaram em igrejas de seita, estávamos longe de imaginar que essa degradação iria contaminar a Escola, reduzindo-a a um armazém, ou parque de estacionamento, para os dependentes da força motriz da nação…

À atenção do senhor que dizia coisas feias do segredo de justiça

05/02/2021

Se o contrário de oportunismo vai passar a ser chamado populismo, então a escolha de quem tem vergonha na cara será óbvia.

Quando é que começa o confinamento?

18/01/2021

Já não é só teimosia irracional.
Já é perigosamente criminoso!

Hoje vão alterar alguma coisa? Nem por isso… ainda é prematuro reconhecer o(s) erro(s).

Teorias da inspiração

12/01/2021

Nem sabemos a sorte que temos em lidar com um vírus bem educado, respeitador e dotado de um espírito colaborante. Um cavalheiro, em suma. Acata as regras da DGS e do Governo. Mantém-se em confinamento em datas certas: o 25 de Abril, o 1.º de Maio, o 13 de Agosto, o 5 de Outubro, o 25 de Dezembro; ou as festividades certas, como a Festa do Avante, o Congresso do PCP, a F1, as eleições presidenciais (veremos!). Respeita as manhãs dos fins-de-semana, só sai à rua depois das treze horas e, ainda, espera pelos retardatários. Evita os locais onde não foi feliz, como as escolas ou a colónia britânica do Algarve.
O vírus espera as decisões políticas e aguarda, pacientemente, o seu sentido de oportunidade, o augúrio das entranhas dos sacrificiados e o resultado do lançamento dos dados. Enfim! Este vírus é nosso amigo.

Outr’ora

31/12/2020

tínhamos o acompanhamento televisivo da deslocação do Pai Natal pelo mundo na noite de 24 e do fogo-de-artifício à volta do planeta na noite de 31.
Ag’ora, preenchemos o espaço entre as duas datas com a chegada das vacinas a cada país.

“Inconseguimento” “infrequente”

25/07/2020

Cada vez há mais políticos, titulares de cargos políticos ou detentores de uma exposição pública mediática injustificada e imerecida, a mostrar que estudos (ou, pelo menos, a mera base da língua mãe) e sucesso profissional parecem incompatíveis.

Títulos alternativos – realidade nada virtual

06/07/2020
  • Excelentes perspectivas de erradicação do covid-19 em Portugal: ingleses não vêm
  • Portugueses acolhidos de braços abertos no reino dos Algarves
  • Final da Liga dos Campeões sem hooligans
  • Mapa cor-de-rosa do século XXI exclui Portugal
  • Açores e Madeira em alerta máximo este verão

Chega? Enough?

None shall pass !

23/06/2020